Guapuruvu: uma exuberante árvore nativa da Mata Atlântica

 Guapuruvu (Schizolobium parahyba var. parahyba)

Nomes populares: guapuruvu, guapurubu, guarapuvu, ficheira, pau-de-canoa, pinho, pau-de-vintém, breu, fava-divina, etc.

Nome científico: Schizolobium parahyba (vell.) Blake var. parahyba

Família: Fabaceae


imponente-guapuruvu-fotografado-de-baixo-para-cima-com-o-fundo-do-ceu-azul
Guapuruvu com 30 metros de altura plantado no entorno de nascente d'água

O guapuruvu é uma belíssima árvore que chama atenção por seu grandioso porte e algumas características bem peculiares que veremos adiante.

Essa árvore é nativa do Brasil, ocorre de forma natural na Mata Atlântica, da Bahia até o litoral norte do Rio Grande do Sul.

Na região norte e centro-oeste do país ocorre uma variedade (Schizolobium parahyba var. amazonicum) de nome popular paricá e que é muito similar ao guapuruvu, porém o paricá apresenta flores, frutos e sementes menores (DUCKE, 1949).

Características do guapuruvu


uma-bela-flor-amarela-do-guapuruvu-entre-os-dedos
Em destaque a bela flor do guapuruvu

O guapuruvu é uma árvore de grande porte, pode alcançar até 40 metros de altura. Possui um belo tronco cilíndrico, retilíneo, com casca quase lisa, com presença de lenticelas e com marcas transversais deixadas pelas folhas que foram caindo do tronco em crescimento. A cor do tronco é verde, até mesmo quando a árvore já atingiu a altura máxima, mas à medida que a árvore envelhece, vai se tornando cinza. Essas características tornam o guapuruvu uma árvore de fácil identificação.

Apresenta copa no formato umbeliforme. Folhas alternas, compostas, bipinadas, de até 1 metro de comprimento, com até 29 pares de pinas. Os folíolos são opostos e elípticos. As inflorescências são em cachos terminais com belas flores amarelas, floresce mais para o fim do ano, entre setembro e dezembro com a árvore despida da folhagem. 

Os frutos são obovados-oblongos, achatados, coriáceos, de 10 a 15 cm de comprimento e 3 a 6 cm de largura. Amadurecem nos meses de abril a outubro. No interior de cada fruto contém uma semente envolvida pelo endocarpo, um envelope fibroso e leve que ajuda a dispersá-la pelo vento. A semente é de cor marrom, brilhante e dura, que faz lembrar pequenas fichas, daí surgiu um dos seus nomes populares (ficheira).

O guapuruvu é classificado como uma árvore pioneira a secundária inicial e higrófila, portanto cresce a sol pleno e preferencialmente em solos úmidos, como margens de rios e mesmo em encostas de morros com vegetação primária ou secundária, onde a umidade do ar é alta.

Outra característica que chama atenção é em relação ao acelerado e surpreendente crescimento, em média 3 metros ao ano, porém tem um tempo de vida curto em comparação a muitas outras árvores, vive em média 60 anos.

Utilidades do Guapuruvu


tronco_do_guapuruvu_de_cor_verde_e_suas_marcas_transversais
Caule do guapuruvu de cor verde e com suas marcas transversais

É uma excelente árvore para recuperação de áreas degradadas (dentro do limite de sua ocorrência natural) e sistemas agroflorestais devido ao rápido desenvolvimento, ter flores atrativas para abelhas e enriquecer o solo através da constante deposição de material vegetal que caem naturalmente.

Ela também pode ser empregada no paisagismo, porém deve-se ter atenção se o local é apropriado para uma árvore desse porte, pois seus galhos podem ser quebrados por vendavais e suas raízes precisam de espaço para que tenham uma boa ancoragem. Por segurança, o ideal é que seja plantada longe de residências por no mínimo 40 metros de distância.

As sementes são utilizadas no artesanato para fazer colares, pulseiras, brincos, etc.

Sua madeira, adquirida a partir de manejo florestal, é leve e de fácil trabalhabilidade, sendo empregada para produção de movelaria, caixotaria, forros, salto de calçados, etc. O tronco é utilizado por comunidades tradicionais na fabricação de canoa, conhecida como canoa-de-um-pau-só e canoa caiçara, aliás, por esse motivo existe o nome popular guapuruvu, que em tupi-guarani significa "tronco de fazer canoa".

Para saber mais sobre belas árvores, siga a Nossa Flora, Nosso Meio aqui e também nas redes sociais.

Assista ao vídeo sobre o guapuruvu:


3 Comentários

  1. Como gostaria de ter essas sementes e plantar perto da minha casa...tem um riacho perto da minha casa...acho que seria perfeito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Eliz!seria sim, essa árvore cresce preferencialmente próximo a rios. Só não é recomendado muito próximo de casas, pois quando algo impede as raízes se desenvolverem bem, ela pode tombar com vento muito forte.

      Excluir
  2. Uma das árvores nativas que mais aprecio. Tem crescimento rápido sendo quase 1 m por ano! É indicada até para áreas deterioradas a serem recuperadas. Por serem bem altas e de grande copa, em cidades só podem em praças e clubes. Quando crescem, a casca é verde e quando adultas ficam cinza. Sua floração é na primavera onde geram flores amarelas. Por vezes aparecem ocos nos troncos que tucanos e periquitos aproveitam e fazem ninhos. Suas sementes dão uma em cada vagem e são bem duras e em terra boa e bem úmida, germinam com facilidade. É árvore símbolo de Florianópolis. E eu já plantei muito por aí...!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem