Tipos de adubos e fertilizantes para bombar as suas plantas

adubacao-organica-com-farinha-de-ossos

Conheça os nutrientes que são necessários às suas plantas do jardim e dos vasos, bem como alguns adubos ou fertilizantes.


Os adubos ou fertilizantes são usados para a finalidade de suprir as necessidades nutricionais do solo e das plantas, pois é normal que os nutrientes acabem sendo esgotados com o tempo devido a utilização pelas plantas, mas também pelo carreamento superficial e lixiviação através das águas pluviais e até mesmo de regas em excesso.

Dentre os nutrientes minerais necessários às plantas, os absorvidos em maiores quantidades são os chamados macronutrientes: nitrogênio (N), fósforo (P), potássio (K), e ainda o cálcio (Ca), magnésio (Mg) e enxofre (S).

Já os chamados micronutrientes, são absorvidos em quantidades bem menores, mas também de vital importância para um bom desenvolvimento e saúde das plantas, são eles: boro (B), ferro (Fe), zinco (Zn), manganês (Mn), cobre (Cu), molibidênio (Mo), cloro (Cl), entre outros.

Sendo assim, dependendo da finalidade e o tipo, o adubo ou fertilizante pode conter alguns desses nutrientes, ou ser mais completo e fornecer todos eles.

Qual a diferença entre adubo e fertilizante?

Talvez você esteja se perguntando se existe diferença entre esses insumos, já que ambos servem para a mesma finalidade, nutrir as plantas. 

Adubo e fertilizante são sinônimos, mas o termo adubo é mais comumente chamado os que são derivados de origem vegetal ou animal (ou ambos). Eles também são chamados de adubos orgânicos. Já o termo fertilizante pode ser mais empregado para os que são minerais ou sintéticos. Mas nada impede de usarmos o termo adubo sintético para os industrializados, ou fertilizante orgânico para os naturais.

Veja alguns tipos de adubos e fertilizantes

Dentre os adubos orgânicos temos:
  • Torta de mamona
A torta de mamona é um subproduto da extração de óleo das sementes da planta mamoneira. Esse subproduto vem sendo reaproveitado como adubo orgânico por apresentar ótimos teores de nitrogênio, além de cálcio e fósforo.

Uma de suas características é disponibilizar os nutrientes de forma lenta, mantendo-os disponíveis por cerca de três meses.

A torta de mamona possui muitas proteínas, dentre elas, a ricina, que apresenta elevado potencial tóxico. Portanto, deve-se ter cuidado ao aplicar esse adubo onde tenha animais domésticos ainda filhotes. Em contra partida, essa toxicidade acaba por controlar os nematoides do solo que causam prejuízos em diversas culturas.

  • Bokash
O bokash é um adubo orgânico formado por uma mistura balanceada de materiais vegetais e animais, e que passou pelo processo de fermentação por micro-organismos para os nutrientes ficarem disponíveis às plantas.

Os materiais vegetais que compõem o bokash podem variar bastante, podendo ser formulados a partir de farelo e palha de trigo, de arroz e de café; torta de mamona; bagaço de cana; caroço de açaí triturado, entre outros. Já os materiais de origem animal pode conter, farinha de osso e esterco.

O bokash pode conter ainda pequena quantidade de minerais, como o pó de rocha, calcário e fosfatos naturais.

  • Esterco
Esterco são excrementos de animais após passar pelo processo de fermentação natural realizado por micro-organismos decompositores. Pode também estar misturado com resíduos vegetais que foram usados para forrar o piso onde os animais repousam ou são criados.

O esterco é um excelente adubo para as plantas por ser muito completo nos macro e micronutrientes, possui ótimos teores de nitrogênio, fósforo, potássio, e outros. Além de proporcionar muitos benefícios ao solo através do aumento da biodiversidade de micro-organismos úteis, auxiliar a infiltração de água, promover um bom desenvolvimento das raízes, conservar a umidade, diminuir as altas temperaturas, diminuir a acidez, etc.

O processo de curtir o esterco é de suma importância para não correr o risco de queimar as raízes das plantas, pois os estrumes frescos aumentam a temperatura devido a ação dos micro-organismos que decompõem a matéria. Outro fato importante é que o processo elimina as chances de contaminação por organismos vetores de algumas doenças.

O esterco mais rico em nutrientes é o de galinhas, ainda assim, muitas pessoas que criam essas aves não fazem uso por desconhecerem a riquíssima fonte nutricional, ou por não saber curtir, ou pela equivocada crença de que queimará as raízes das plantas, fato que só ocorrerá se não for curtido. Aqui no blog tem um artigo sobre o esterco, onde demonstro em vídeo o passo a passo de como curtir o esterco de galinha de forma eficiente, mas que também serve para o esterco de outros animais.

  • Húmus de minhoca ou de gongolo
O húmus de minhoca, assim como o de gongolo, são os excrementos desses bichinhos após digerirem material orgânico. Ao se alimentarem, eles acabam por liberar os nutrientes presente nos detritos e ainda os transformam em uma forma que as plantas podem assimilar.

Como adubo, o húmus também é muito completo e excelente para o solo e as plantas, pois aumenta a quantidade de micro-organismos benéficos, além de nutrir as plantas com diversos minerais (nitrogênio, fósforo, potássio, magnésio, e muitos outros) matéria orgânica e ainda alguns hormônios.

  • Farinha de osso
A farinha de osso é um fertilizante mineral e orgânico. É rica em nitrogênio, cálcio, potássio e principalmente o fósforo, elementos que são essenciais para o crescimento, florescimento e frutificação.

Devido ao maior nível de fósforo, é mais indicada para quem procura um fertilizante para o florescimento das plantas.

  • Composto orgânico
O composto orgânico é um adubo proveniente da compostagem de restos vegetais e animais após passar por etapas afim de acelerar a decomposição desses resíduos.

A prática da compostagem vem ganhando cada vez mais adeptos, tanto pela população rural quanto urbana, por dar uma destinação correta aos resíduos orgânicos e de quebra produzir um excelente adubo caseiro totalmente ecológico.

A compostagem pode ser produzida até mesmo em espaços pequenos, bastando para o sucesso, estar atento principalmente para a relação carbono/nitrogênio, umidade e aeração. Se você quer aprender a fazer, aqui também tem um artigo sobre o passo a passo da compostagem.

Um fato interessante é que a decomposição inicia-se com os micro-organismos e fungos, já após a fase de aquecimento, surgem naturalmente do solo as minhocas e gongolos para se alimentarem, e, com isso, enriquecem ainda mais o composto.

O produto final é um adubo muito completo, que proporciona os nutrientes essenciais às plantas, como também melhora as qualidades físicas, químicas e biológicas do solo. 


Dentre os sintéticos temos:

  • Osmocote
Osmocote é um fertilizante mineral sintético de liberação lenta. Está presente na forma de grânulos em cápsulas biodegradáveis.

Esse fertilizante é liberado por pressão osmótica que varia conforme a temperatura e umidade do solo. Ou seja, a água entra na cápsula porosa diluindo os nutrientes.

A vantagem desse processo de liberação lenta é que diminui os riscos de queima das raízes por excesso de nutrição, fato muito comum em adubos sintéticos quando usado incorretamente, e também diminui as perdas por lixiviação através das regas e chuvas.

O osmocote é bem completo em macro e micronutrientes e após aplicado tem longevidade de 3 a 4 meses.

  • Ureia
A ureia é um fertilizante sólido e granulado com alto teor de nitrogênio, em média 45%.

Na agricultura, a ureia é o fertilizante nitrogenado mais usado, por apresentar menor preço e alta concentração do elemento (EMBRAPA/SOLOS).

A ureia pode ser aplicada em plantas do jardim ou que estão em vasos. Mas é importante saber que a ureia em excesso pode causar danos à planta, que irá apresentar folhas queimadas. Portanto, deve-se ter o cuidado que a quantidade a usar deve ser mínima devido a alta concentração de nitrogênio e disponibilidade imediata.

Ao aplicar a ureia, deve-se revolver o solo e irrigar a planta para que o fertilizante penetre no solo , evitando maior perda por evaporação. Outra forma de uso é fazer um fertilizante líquido com a ureia, basta adicionar uma colher de sopa em 10 litros de água e mexer para dissolver, em seguida regar o substrato das plantas.

Por fim, assista ao vídeo do resultado final da compostagem, que é um adubo orgânico de excelente qualidade:



2 Comentários

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem