Publicidade

Jambu: saiba a origem, características e os benefícios dessa erva

Erva jambu com flor, espécie Acmella ciliata


O jambu é uma erva medicinal e alimentícia muito utilizada devido aos benefícios à saúde e ao sabor peculiar, principalmente na região Norte do Brasil onde a planta é mais popular. A erva também pode ser conhecida como jamburana, agrião-do-pará, agrião-do-brasil, agrião-da-mata, planta-de-dor-de-dente e botão-de-ouro.


Existem duas espécies de jambu que são mais consumidas, seja como planta medicinal ou alimentícia, elas são da família Asteraceae e pertencem ao mesmo gênero, ambas possuem propriedades terapêuticas e sensação gustativa similares, apenas diferem quanto as características morfológicas; são as espécies: 
  • Acmella ciliata; planta nativa do Brasil e outros países da América do Sul, possui ampla distribuição natural por várias regiões do país, sendo encontrada em estado selvagem pelos biomas Amazônia, Caatinga, Cerrado e Mata Atlântica.
  • Acmella oleracea; planta de origem incerta, classificada como naturalizada por não ter sido encontrada populações em estado selvagem, mas apenas em áreas antrópicas e que certamente acabou se dispersando após o cultivo.
As princiais diferenças entre esses dois tipos de jambu é que a espécie Acmella oleracea possui folhas maiores, capítulos da inflorescência sem pétalas e caule verde, já a espécie Acmella ciliata possui folhas um pouco menores, por isso é chamada também de jambu-miúdo, os seus capítulos possuem pétalas visíveis e o caule é vináceo, veja abaixo mais características desse jambu silvestre.

Características do jambu (Acmella ciliata)


Em destaque as folhas verdes com margem serrada de Acmella ciliata
Folha do jambu-miúdo

A espécie Acmella ciliata, o jambu nativo do Brasil, é uma erva perene com porte de 20 a 40 centímetros de altura; possui caule que pode ficar em posição semi-ereta ou rastejante, é carnoso, sem pelos e possui tonalidade vinácea; os pecíolos das folhas são pilosos e medem 1 cm de comprimento; as folhas se distribuem de forma oposta, são de formato ovado, possuem as faces lisas ou esparsamente pilosas, medem até 4 cm de largura e 5 cm de comprimento; a margem é serrada, em sua maioria com uma fina camada arroxeada contornando toda a lâmina e sendo mais evidente nas folhas novas.

Os capítulos são terminais ou axilares e sustentados por longo pedúnculo, medem 1 cm de diâmetro, possuem duas séries de brácteas involucrais com margem ciliada, neles estão inseridas as minúsculas flores amarelas; as flores do raio possuem pétalas bem desenvolvidas; os frutos são aquênios pretos e  possuem margem ciliada.

O jambu floresce o ano inteiro, é uma planta de clima quente e úmido, pode ser cultivado em meia sombra, preferencialmente em solo argilo-arenoso e rico em matéria orgânica para fornecer mais nutrientes para a planta, também pode ser feito adubação com esterco de galinha curtido. A irrigação deve ser frequente , mas sem encharcamento. A reprodução pode ser feita facilmente pelas sementes de jambu e também por estaquia dos ramos.

Benefícios da erva jambu


O jambu é uma erva medicinal, sendo utilizada principalmente contra dor de dente devido ao famoso efeito anestésico causado por um composto ativo da planta, o espilantol, que está presente em maior quantidade nas flores, aliás até mesmo quando mastigada in natura, a flor causa sensação de dormência na língua e outras partes da mucosa bucal, como nos lábios onde é mais nítido sentir os estímulos que os deixam tremendo.

O agrião-do-pará ainda é usado na medicina popular para auxiliar no tratamento contra dor de garganta, febre, reumatismo, problemas digestivos, eczema e malária. Vários estudos já foram realizados com a substância espilantol, a mesma presente no jambu, confirmando atividades analgésica, anti-inflamatória, antioxidante, diurética, antinociceptiva, antimutagênica, antiansiolítica, antimalárica, larvicida, antimicrobiana e afrodisíaca.

Inclusive já existem produtos farmacológicos que utilizam o espilantol na composição, como gel dentário com ação analgésica e anti-inflamatória e creme antirrugas. Também já existe no mercado gel com extrato de jambu para massagem e como afrodisíaco.

Além dessas propriedades, estudos com metabólitos isolados da planta confirmaram as atividades hepatoprotetora, antidiabética, hipotensiva, neuroprotetora e anticancerígena.

Na culinária o jambu ou agrião-do-pará é muito popular na gastronomia da região Norte brasileira, fazendo parte de pratos típicos como o tucupi e tacacá, além de usos em sopas, caldos, massas, como tempero, saladas e em bebidas. É uma planta que possui elevada fonte de nutrientes, consta como sendo rica em proteínas, cálcio, ferro, fósforo, zinco, magnésio, vitamina C e outras em menores teores.

Sabor do jambu


Muita gente compara o sabor do jambu com o agrião, mas são muito diferentes, ambas são picantes, mas o jambu é menos ardente e possui refrescância, é mais rico em sabores, incluindo um suave amargor, além de deixar a lingua pinicando ou formigando, com uma leve sensação de dormência, mas sem que atrapalhe na gustação dos outros alimentos.

Assista ao vídeo sobre o jambu silvestre:


Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem